segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

«Os Grandes Livros» e Anthony O'Hear por João Carlos Espada

«Isócrates, escrevendo em 380 a.C., já dizia que a educação liberal de Atenas constituía a sua glória e fornecia a melhor alternativa ao culto do poder e do dinheiro, característico dos bárbaros.

Ter os grandes livros significa conversar com as grandes obras e os grandes autores do passado, significa compreender que a nossa civilização assenta nessa conversa. Ao entrarmos nessa conversa, o nosso olhar será inevitável e gradualmente elevado; ver-nos-emos gradualmente desprendidos de uma visão vulgar e mesquinha. Ao longo da história do Ocidente, essa conversa sempre foi entendida como condição da educação do carácter, como condição de uma educação para a liberdade - em bom rigor, como escola de liberdade."

Foi assim que Anthony O'Hear, director do Royal Institute of Philosophy de Londres, apresentou na sexta-feira (5) da semana passada em Lisboa a edição portuguesa do seu livro "Os Grandes Livros" (Alêtheia, 2009). Trata-se uma viagem por 2500 anos da literatura clássica, partindo da "Ilíada" e da "Odisseia" e chegando ao "Fausto" de Goethe, passando por Dante, Camões e Shakespeare, entre vários outros.

Esta insistente preocupação de O'Hear com os grandes livros pode parecer hoje intrigante. Mas a verdade é que era totalmente óbvia até há relativamente poucas décadas. Era absolutamente normal considerar que uma educação universitária - e até mesmo secundária - não podia prescindir do estudo e do diálogo com as grandes obras do passado. (...)»

João Carlos Espada, Director do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa, in Jornal I (13 de Fevereiro de 2010). Ler tudo em http://www.ionline.pt/conteudo/46622-os-grandes-livros-e-educacao-do-caracter

Sem comentários:

Publicar um comentário