quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Pedro Picoito, sobre o «Portugal» de Vasco Pulido Valente

[...] D. João VI, os sucessivos liberais, Costa Cabral, a galeria dos republicanos, Paiva Couceiro, Salazar, Marcello Caetano, Cunhal, ninguém escapa à pena do cronista. Talvez VPV seja injusto aqui e ali, como costuma ser quem não tem medo de adjectivar os homens, mas dá-nos uma visão profundamente original do passado que eles viveram. Por exemplo, é injusto com a Igreja e o suposto aproveitamento político das aparições de Fátima, momento-chave da resistência católica à repressão da "República velha". Mas não se pode pedir a um incréu para ver nas idas e vindas da Mãe de Deus a uma charneca da Serra de Aire em 1917 algo mais do que um genial golpe de propaganda.

Longe de vulgatas escolares e vassalagens académicas (o doutoramento em Oxford e a prateleira dourada do ICS ajudam), poucos historiadores portugueses escrevem hoje como VPV. Por isso poucos são tão lidos como ele. A história é uma das belas artes. Um romance verdadeiro, na fórmula célebre e polémica de Paul Veyne. Aqueles que procuraram dar-lhe a respeitabilidade do positivismo retiraram-lhe a dignidade muito maior de ser lida. Entre nós, VPV foi um dos primeiros a fugir de tal erro, juntamente com outros historiadores não por acaso associados à direita (whatever that means) e à influência anglófona: Rui Ramos, Fátima Bonifácio, Filomena Mónica

Talvez este livro, com a sua erudição invisível, a ausência de notas que a autoridade do especialista dispensa, a vontade de chegar ao grande público sem cair na falta de rigor, seja a melhor introdução ao nosso passado próximo. O tal país que somos, parece.


Pedro Picoito, O Cachimbo de Magritte, 7 de Setembro de 2009

Sem comentários:

Publicar um comentário